Video: 3 looks em um dia cinza


Revirei as gavetas e encontrei partes de mim























É inevitável olhar ao nosso redor, o mundo e a tudo que está acontecendo e não parar um minuto que seja para repensar em tudo, nos nossos valores e princípios sabe? Chega a ser desesperador ver que nós seres humanos somos a última prioridades de nós mesmos e as mais vítimas de tudo isso.

Fico horas analisando e tentando descobrir como é que chegamos nesse ponto, onde foi que nos perdemos e esquecemos de tudo que alimenta nossa essência como seres humanos, não devíamos estar assim. É preocupante demais imaginar que daqui a poucos anos poderemos nem existir mais e sermos vítimas da ganância.

Em contrapartida, mesmo em tempos difíceis, pude vivenciar uma jornada de transformação, aquela me fez ver a real solução desse mundo e das pessoas que nele vive. São as coisas mais simples que trazem efeitos gigantescos e que imerso nesse lugar de cada vez mais buscar a  solidão acabamos esquecendo. Você conseguiria deixar de pensar um pouco em si mesmo e priorizar o próximo, tipo seu inimigo ou aquela pessoa que não gosta? Pois é, isso é uma tarefa muito difícil e que exige prática no dia a dia, mas é isso que vai transformar e resolver as coisas por aqui.

Fui obrigado a ficar dias em um lugar onde a única coisa que as pessoas precisavam era de uma ajuda, uma palavra amiga, uma companhia. Achei sinceramente que não iria aguentar, foi um desafio que eu recebi e aceitei, mesmo sem nem saber se conseguiria, e com todos as coisas que já passei, declaro aqui: achei que não seria o suficiente, que não daria conta, mas foi totalmente ao contrário. Vi que meus problemas nem se comparavam com os de outras pessoas, que eu poderia deixar eles de lado e ajudar quem realmente precisava, vi que as coisas que pra mim eram fúteis e sem valor algum para outras eram as maiores e melhores coisas da vida delas. Sabe, o melhor presente que temos aqui são as pessoas, mesmo com todos os defeitos e que bom que seja assim.

Na real a gente só entende quando precisamos, quando a vida (pra mim é Deus) nos permite passar por isso. Ninguém quer passar dias difíceis, ninguém quer dor, mas são elas que nos transformam, nos ensinam e nos preparam. Se tivesse que escolher entre dias bons e dias ruins o que escolheria?

E depois de tudo isso, olhar para essas imagens que postei de fotos que tirei a tanto tempo e nunca postei aqui, olhar para tudo que vivi e todos os meus complexos com minha aparência, minha personalidade que eu não considero fácil lidar, as pessoas que eu poderia ter ajudado e não ajudei, as pessoas que eu poderia ter conversado e não conversei, as pessoas que eu poderia ter escutado e não escutei por que estava preocupado demais querendo ser ouvido sabe? É por elas que eu escrevo aqui, para pedir DESCULPAS pela minha ausência como ser humano.

Hoje a minha missão aqui na terra passa a ser outra, nem se eu quiser ter uma visão diferente conseguirei ter e estou tão feliz por isso. Deus abriu meus olhos que há muito tempo andava fechado para mundo e aberto somente para meu umbigo. Me fez ver que agora é a hora de ser a mudança que eu busco, de viver as melhores e piores experiências que essa vida tem a me oferecer, e jamais esquecer que tempos difíceis virão mas estou preparado porque sei que eles é que me transformarão.


Be Brave

Foto: Renan Lima














Enquanto não vamos a Londres, procuramos lugares semelhantes para umas boas fotos. Convidei uma amiga que eu tinha certeza que toparia essa ideia e o resultado, como de costume, ficou ótimo. Muito bom poder fazer o que gosta e envolver pessoas que contribui para arte seja ela como for. Obrigado por topar essa ideia Karen :)


De Braços Abertos









Há alguns anos atrás meus pais me disseram para fazer um curso de modelo, naquela época eles acreditavam tanto em mim que investiam tudo que tinham e não tinham para que um dia algo desse certo em minha vida. Topei, mesmo contra minha vontade, mas fui encarar mais essa etapa. Minha autoestima, como todos já estão careca de saber, andava rastejando e fui parar logo em um lugar onde a "beleza" é alma do negócio. No primeiro dia a aula foi de fotografia e eu bem sem jeito tive que fazer algumas poses na frente de vários alunos, me lembro de tremer muito a ponto de não conseguir saber que pose tava fazendo e na minha cabeça só pensava em sair correndo dali.

Ao longo do tempo, fiz amizades e fui me soltando mais. Moda em si nunca foi meu forte, nunca busquei tendências e todos esses scripts de quem gosta de moda faz mas lá no fundo sentia que o interesse por modelar crescia dentro de mim. Desfilei algumas vezes, tirei fotos em estúdios mas sempre que tinha a oportunidade de me sabotar e fugir das oportunidades, era o primeiro a correr. Vi amiga indo para fora do país para modelar e fui ficando para trás, até que em um dia qualquer fomos avisados de uma seleção que uma agência de São Paulo viria fazer aqui na cidade. Fui indicado com mais muitas pessoas a concorrer as poucas vagas e obviamente sem esperança nenhuma encarei a bronca. Depois de tantas etapas o resultado: fui selecionado para entrar ao casting da agência. A minha família vibrou junto comigo e mesmo sem acreditar no que estava acontecendo fiquei bem feliz.

Os dias passaram e a agência, que informou que entraria em contato para marcar as fotos do book, não se manifestou mais. A agonia foi tomando conta e meus pais ficaram totalmente decepcionados pois fomos vítimas de um golpe. Eu que já não acreditava em mim, imagina como fiquei. Anos depois, seguindo a vida e com um ponto final nessa etapa da minha vida, me deparei fotografando exatamente da forma como penso e vejo a "moda". Só que agora sentindo a crença verdadeira em mim, pois o que faço refletindo no que penso. Prefiro pensar em estilo do que moda, não imagino em seguir tendências mesmo que uma hora ou outra estejamos nela. Penso na liberdade de vestir e ser o que der na telha sem regras. Estilo é atitude, está mais voltado para personalidade e vivências.

Tive a oportunidade de ouvir de algumas pessoas palavras de encorajamento, elogios das minhas fotos (pois tenho um fotógrafo sensacional caminhando comigo) e que tenho potencial para investir mais nisso, me fizeram repensar em tudo isso aqui. Se hoje estou fazendo isso novamente e me encho de prazer é por que existe sentimento no que faço. É pela satisfação pessoal, pelos bons sentimentos que isso traz e por ver que existem, ainda, pessoas que acreditam em mim, que me incentivam a continuar e a andar ao meu lado pra me ver crescer. É pra você que assim como eu, todos os dias buscam um sentido na vida, se dispondo a se conhecer e abrir mão dessas prezas que a gente mesmo criou. Tirei o dia para pensar nisso e foi graças ao vídeo do Padre Fábio que estou escrevendo tudo isso. Não existe dinheiro que pague a felicidade e prazer de fazer o que realmente gostamos e acreditamos. É clichê mas é continua sendo a verdade absoluta.


Fluorescent Adolescent











Toda vez que tenho uma ocasião onde preciso usar roupa social minha cabeça já fica em alerta, penso logo em algo que não fique tão formal mas sempre acabo no tradicional camisa, calça, blazer e só acrescento um All Star pra não deixar tão fake e que eu possa me sentir melhor, mas um coturno no lugar do sapato e uma camiseta no lugar da camisa só podia ser a melhor invenção para me sentir preparado para qualquer formalidade que vier. Sério, to tão empolgado com essa ideia! Ah, se a camiseta for de uma banda massa vai ficar melhor ainda, tipo essa da Terror Shop CG.