Os dias difíceis mandaram lembranças

Com licença, você sabe me dizer onde eu aperto o botão - voltar a ser criança - nesse treco chamado vida? A única coisa que queria neste exato momento era encontrar esse botão e apertar sem pensar duas vezes pra ver se eu consigo fugir de toda a responsabilidade da vida adulta.

Ser adulto tem muitas vantagens mas eu ainda me pergunto o porque de tanta responsabilidade. Crescer deveria ser a melhor parte da vida e não a pior, tantas coisas que dependem só da gente e as vezes só queremos fechar o olho e descansar de nós mesmos.

Andando pela rua eu me lembrei de quando minha única preocupação era chegar da escola e jogar videogame, brincar descalço na rua e não voltar tarde pra casa. Comandar o clubinho da rua era moleza pra mim, minha única obrigação era não deixar faltar missões para o dia.

A missão mais difícil foi a de correr atrás de um ladrão por muitas quadras e  quase chegar no final do bairro, onde minha mãe dizia pra não ir, e não encontrá-lo. Foi uma decepção, mas de longe consegui enxergar que apesar da bronca eu havia me superado. Conhecer o desconhecido pode ser incrível. Foi inesquecível.

Agora estou aqui aos vinte e sete anos, com missões do mundo adulto e não sei lidar com metade delas. Parece que todas resolvem aparecer de uma vez só e no momento em que está mais despreparado possível, se é que estamos preparados em algum momento. Me lembrei do que um amigo me disse na época da faculdade: dias de lua cheia para os geminianos, são dias terríveis. Ironia ou não, adivinhem em qual fase da lua estamos?

Embora eu tenha comigo que os momentos ruins nos servem de grandes lições, passar por eles será sempre uma novidade pra mim. E como nas minhas missões, eu aguardo o dia em que irei me superar mais uma vez.




Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário