Seja o melhor de você

Se você veio até aqui, pare onde está! Quero que pense agora em tudo que tem oferecido a quem está a sua volta, liste tudo que vier na cabeça e depois disso veja se não esqueceu de nada. Ou melhor, veja se não se esqueceu.

Se doar para as relações tem se tornado cada vez mais uma raridade. Podem se sentir especiais aquelas que se entregam por inteiro independente de qual seja o final da história, e mesmo que haja um fim, saem ilesos e dispostos a se doar novamente. Estes no mundo real são chamados de trouxas. E no meu de incríveis.

A racionalização tem sido a pior epidemia dos últimos anos, deixamos a simplicidade de lado para exercitar uma parte que já está condicionada ao comum. Atualmente não encontramos peculiaridades, nos deparamos sempre com uma massa que insiste em acreditar que são únicos. Péssimas notícias: você que discute os temas em evidência só se torna mais um quando domina bem as palavras. Opinião tem que ser ação.

São tempos difíceis para os sentimentalistas. Os maiores heróis se deixaram levar pela emoção, fizeram deles únicos pelo simples fato de acreditarem no que sentiam. Sinceramente, onde você quer chegar nessa vida?

Me vejo em um tempo onde guerreamos por migalhas de afeto, como os zumbis quando veem sangue. Somos milhares de pessoas disputando por um carinho. Ou então esperando sentados o dia em que o amor irá bater na porta e pedir para entrar. Falamos de frieza e sofrimento como se fosse algo difícil de acontecer, para e olhe ao redor. A doença do século é exatamente essa, cega milhares de pessoas todos os dias e muitas com orgulho dizem sem problema algum. Está errado!

Enquanto a política do desapego for a cultura atual estaremos muito encrencados, doar-se tem que ser prioridade e faz bem a alma. Precisamos estar dispostos a errar, a crescer e evoluir. Aprender com os erros e se necessário, errar quantas vezes for. Pessoas raras são aquelas que acreditam, até mesmo, no erro. Os valores e princípios te tornam únicos. Esses a gente não mendiga, a gente conquista.



Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário